时间  7小时 48分钟

路线点数 2378

上传日期 2020年12月27日

记录日期 十二月 2020

-
-
1,417 m
760 m
0
4.8
9.5
19.09 km

浏览次数: 153次 , 下载次数: 2次

邻近 Bouças Donas, Viana do Castelo (Portugal)

FOTOS DESTA E DE OUTRAS TRILHAS EM ”CAMINHANTES"

TRILHO DO ALTO DA PEDRADA DESDE TRAVANCA

O trilho do Alto da Pedrada tem como objetivo principal o Marco Geodésico da Pedrada, ponto mais alto da Serra do Soajo com 1416 metros. O seu cume fica no limite entre as freguesias de Soajo, Cabreiro, Gondoriz e Gavieira e é o mais proeminente do distrito de Viana do Castelo. Nas encostas desta montanha existem diversas brandas como a branda de Cobernos, a branda da Baja, branda da Bragadela e branda dos Bicos.

Trilho não sinalizado, aconselha-se o uso de GPS ou cartas militares, apesar de intersetar/coincidir com outros percursos oficiais, como o PR2 AVV - Rota do Soajo (Romeiros da Peneda), PR3 AVV - Rota dos Bicos (Romeiros da Peneda), PR12 AVV - Rota de Montanha entre Fojos, PR13 AVV - Trilho do Ramiscal, PR22 AVV - Trilho do Fojo da Cabrita e GR1 AVV - Travessia das Serras Peneda- Soajo, as designações destes trilhos podem já estar desatualizadas e/ou alteradas.

Informação sobre os referidos trilhos consultar a página da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez.




DESCRIÇÃO DO TRILHO

Trilho com inicio e fim no estacionamento das Lagoas da Travanca (820m), junto ao Parque de Campismo. Começamos a subir em direção aos Guidões, inicialmente por caminho de pé posto até intersetar o caminho lajeado que gradualmente nos faz vencer o forte declive da serra. Atravessamos o ribeiro (1048m), afluente do Ria Ázere, e voltamos a caminho de pé posto. À medida que andávamos somos presenteados com vistas privilegiadas do Guidão, com os seus 1216 metros de altitude.

Pouco depois estávamos na Branda de Coberdos (1117m), com as suas cabanas ou cortelhos de paredes construídas pela justaposição de pedras, que outrora foram abrigos de pastores. Depois de uma breve pausa para o reforço da manhã, continuamos por trilho pouco percetível até encontrar um Marco (1280m) no cimo de uma rocha. Daqui baixamos ligeiramente até ao Curral do Pedro (1225m), sempre sem caminho definido fomos progredindo por zona de pedra e vegetação rasteira e tomamos a direção da Branda da Baja (1324m). Continuamos sem trilho definido, por entre vegetação rasteira e caminho de gado seguimos para o Alto da Derrilheira (1346m). Magnificas panorâmicas para o Vale do Rio Adrão… é um dos miradouros naturais mais emblemáticos da Serra do Soajo.



O trilho segue agora para Oeste, em direção à Pedrada, mas antes ainda passamos pela Cabana das Forcadas (1350m) para começar a derradeira subida ao ponto mais elevado deste trilho, o Alto da Pedrada (1415m) e principal objetivo do dia. Tendo sempre como referência a estrutura metálica no seu cume, procuramos o melhor caminho por entre a vegetação rasteira da época, a carqueja e o tojo. Já no Alto da Pedrada é hora da foto da “praxe” no marco geodésico e apreciar as magnificas panorâmicas de 360º.



Continuando, baixamos pelo melhor caminho, por entre a vegetação rasteira da época, em direção à Branda da Bragadela (1168m), atravessamos o Rio Ázere (1164m) e voltamos a subir a encosta até ao alto do Cabeço dos Bicos (1293m), outro miradouro natural de 360º. O relevo suave que o envolve é outro aspeto a destacar, dado ser o resultado da reação do granito à alteração e ao desgaste provocados pelos agentes de meteorização (água, vento, variações de temperatura, agentes biológicos, entre outros). Daqui o trilho desce ligeiramente, passa por Blocos Graníticos Pseudoestratificados (1251m) - fenómeno que ocorre quando os granitos se encontram afetados por fraturas densas, paralelas à topografia, as quais, por efeito da meteorização, dividem um bloco granito em camadas de menor espessura - e segue em direção a Norte para a Branda dos Bicos (1160m), com os pequenos cortelhos de paredes construídas pela justaposição de pedras. Ao encanto desta branda acresce a sua magnífica localização, numa chã fértil em pasto e abrigada dos ventos pela encosta, com uma vista privilegiada para a luxuriante Mata do Ramiscal (1192m).

Passamos um pouco a Branda dos Bicos para alcançar um aglomerado de pedras que pela sua posição são um miradouro natural para o vale encaixado do Rio Ramiscal e respetivas linhas de água drenantes. O perfil do seu vale assemelha-se a um V, símbolo da sua juventude que se carateriza pelo excesso de energia que transporta, erodindo em profundidade. Apresenta, por isso, um elevado aprofundamento do seu talvegue, margens estreitas e vertentes com fortes declives. O Vale do Ramiscal alberga uma das mais importantes matas naturais do Parque Nacional: a Mata do Ramiscal (constituída principalmente por carvalhais e azevinhais), integrada desde 1995 num área classificada como Zona de Proteção Total, equiparada a uma Reserva Integral.



Mais um momento de puro prazer para os nossos olhos, uma vista sem fim… Deixamos a Branda dos Bicos, onde podemos estar muito perto de manadas de gado bovino e de garranos, testemunho deste legado ancestral de vezeiras que foi uma constante ao longo do trilho. Seguimos para Sul, intersetamos a Calçada dos Bicos (1139m). É um caminho, entre brandas, com curvas bem marcadas para vencer a inclinação do monte, lajeado numa largura aproximada de 1,50 metros. Uma verdadeira obra de engenharia. Mantém-se, depois de séculos de uso, robusta e segura a meia encosta. É uma calçada de Fé, parte de um sistema de acessos ao Santuário da Peneda, na freguesia da Gavieira.

O trilho desce a encosta pela Calçada dos Bicos, à medida que vamos descendo podemos observar mais umas brandas de gado, designadas por Branda das Soengas e da Lombadinha (ou Montelos). A Calçada dos Bicos leva-nos até à Chã do Brialho, onde podemos observar um abrigo de pastores - o abrigo ou Cortelho do Brialho (960m) - idêntico aos seculares cortelhos que encontramos nas várias brandas de gado ao longo deste percurso (de pequena dimensão, planta circular, com parede de pedra solta e cobertura em falsa cúpula). No entanto, apesar do sistema de construção ser igual, este abrigo é bastante mais recente. Foi construído em meados do século XX pelos pastores de Lombadinha e de Carralcova, de modo a poderem pastorear os animais com mais eficiência, evitando que estes entrassem na zona arbórea, da responsabilidade dos Serviços Florestais.



Continuamos a descer a encosta até ao Fojo da Cabrita (893m). Os fojos são antigas armadilhas para os lobos. Este animal, hoje protegido, foi durante muitos séculos objeto de perseguição motivada quer pelo medo que incutia nas gentes serranas através da sua associação ao mundo do além, quer pelos ataques que fazia aos animais que pastavam nas serras. Estes elementos, hoje património cultural, só existem no Norte da Península Ibérica. De acordo com os estudiosos do tema, existem cinco tipos de fojo, dos quais salientamos os fojos de “paredes convergentes” e os fojos “de cabrita”. O fojo que observamos neste local é um magnífico exemplar da última tipologia. Trata-se de um elemento, aproximadamente, circular, com paredes em granito. No seu interior colocava-se o “isco”, uma cabra, para atrair o predador, o lobo. Uma vez lá dentro, em virtude do sistema de construção das paredes com o recurso a capiás, o lobo não conseguia sair.

No Fojo da Cabrita giramos 90º à esquerda e seguimos o seu trilho em direção à Branda de Bostejões (811m), junto ao estradão florestal. Era usada pelos pastores de Carralcova, embora, nas suas proximidades, se encontrem alguns cortelhos dos habitantes de Lombadinha. Para evitar o estradão florestal, tomamos um velho trilho que nos leva até à Branda da Junqueira de Cabana Maior (835m). A partir daqui seguimos por caminho mal definido, com alguma vegetação que nos levou de volta ao estradão florestal e o qual seguimos até à ponte sobre o Rio Ázere (780m) para aí desviar à direita para as Lagoas da Travanca.



As Lagoas de Travanca (760m) estão recheadas de recantos com sombras frescas, e pequenas lagoas serranas que convidam a banhos em dias solarengos. Não fomos a banhos, fica o desejo de voltar em dias mais quentes…. Subimos a escadaria de madeira e estávamos de regresso ao estacionamento onde finalizamos o Trilho do Alto da Pedrada, precisamente no local onde teve inicio.


FICHA TÉCNICA
Realização: 27 de dezembro de 2020
Percurso: Parque de Campismo da Travanca - Branda de Cobernos - Curral do Pedro - Branda da Baja - Alto da Derrilheira - Cabana das Forcadas - Alto da Pedrada - Branda da Bragadela - Cabeço dos Bicos - Branda dos Bicos - Chã do Brialho - Fojo da Cabrita - Branda de Bostejões - Branda da Junqueira de Cabana Maior - Lagoas da Travanca - Parque de Campismo da Travanca
Distancia: 19,1 km
Duração: 7h49min
Tempo em movimento: 5h11min
Tempo parado: 2h38min
Movimento médio: 3,7km/h
Acumulado positivo: 1238m
Acumulado negativo: 1278m





Se gosta das nossas trilhas adicione a sua avaliação no final da página.
Obrigado pelo seu comentário e avaliação.

Si te gusta nuestras rutas haz tu propia valoración al final de la página.
Gracias por tu comentario y valoración.

If you like our trails, leave your own review at the end of the page.
Thank you for your comment and review.

A equipa Caminhantes
兴趣点

ESTACIONAMENTO TRAVANCA

兴趣点

RIBEIRO

兴趣点

VISTAS DO GUIDÃO

兴趣点

BRANDA DE COBERNOS

兴趣点

MARCO

兴趣点

CURRAL DO PEDRO

兴趣点

CABANA OU CORTELHA

兴趣点

BRANDA DA BAJA

兴趣点

ALTO DA DERRILHEIRA

兴趣点

MIRADOURO DA DERRILHEIRA

兴趣点

PRADO DAS FORCADAS

兴趣点

CABANA DAS FORCADAS

兴趣点

RIBEIRO

兴趣点

ALTO DA PEDRADA

兴趣点

BRANDA DA BRAGADELA

兴趣点

RIO ÁZERE

兴趣点

CABEÇO DOS BICOS

兴趣点

BLOCOS GRANÍTICOS PSEUDOESTRATIFICADOS

兴趣点

BRANDA DOS BICOS

兴趣点

VISTA VALE DO RAMISCAL

兴趣点

VISTA MATA DO RAMISCAL

兴趣点

CALÇADA DOS BICOS

兴趣点

VISTA BRANDA DAS SOENGAS

兴趣点

CABANA DO BRIALHO

兴趣点

FOJO DA CABRITA

兴趣点

CORTELHO DE BOSTEJÕES

兴趣点

RIBEIRO

兴趣点

BRANDA DA JUNQUEIRA

兴趣点

PAINEL INFORMATIVO

兴趣点

PONTE RIO ÁZERE

兴趣点

VISTA LAGOAS DA TRAVANCA

评论

    您可以这条路线